PARTICIPE DO PRÊMIO DA ULAPSI EM HOMENAGEM A MARCUS VINÍCIUS. INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 31 DE OUTUBRO

Categoria(s):  DESTAQUE DA SEMANA, DIREITOS HUMANOS, Notícias, Últimas Notícias   Postado em: 28/07/2020 às 11:07

20191209-premio-marcus-matraga-300x3001º Prêmio Marcus Matraga (Marcus Vinícius de Oliveira), promovido pela União Latino-americana de Entidades da Psicologia (Ulapsi) está com inscrições e envios de trabalhos abertos até o dia 31 de outubro de 2020.

Reconhecer e divulgar o trabalho de coletivos que tenham a participação de profissionais da Psicologia pela defesa dos Direitos Humanos na América Latina e homenagear o psicólogo Marcus Vinicius de Oliveira são os objetivos da premiação.

Saiba mais sobre a premiação no site da Ulapsi.

 

O Prêmio é uma merecida homenagem a Marcus Vinicius de Oliveira, psicólogo brasileiro, coordenador do Grupo de Trabalho da Ulapsi sobre Psicologia e Direitos Humanos e um dos fundadores e impulsionadores do projeto Ulapsi. É uma forma de reconhecimento pela grande contribuição para a organização da Psicologia no Brasil e na América Latina deste incansável defensor dos direitos humanos. Marcus Vinicius dedicou sua vida à construção coletiva de uma psicologia descolonizada e comprometida com o enfrentamento intransigente da desigualdade social.

A Ulapsi é uma entidade que tem como proposta produzir uma Psicologia latino-americana, descolonizada, comprometida com as demandas da América Latina, como a diminuição da desigualdade, na luta pelos direitos humanos.

O Conselho Federal de Psicologia participa ativamente como instituição membro da Ulapsi ao contribuir com as discussões sobre as especificidades da Psicologia latino-americana, constituindo assim uma extensa rede de articulação científica, profissional e acadêmica.

 

CFP cobra justiça para o caso Marcus Vinícius

O CFP reafirma a importância da atuação de Marcus Vinícius a Psicologia brasileira e lembra que a sua luta pelos Direitos Humanos não foi em vão. Há três anos, Marcus Vinícius foi assassinado no povoado de Pirajuía, município de Jaguaripe, no Recôncavo baiano e até hoje as circunstâncias de sua morte não foram desvendadas. A motivação do crime teria sido a luta do psicólogo pela preservação ambiental e pela defesa das populações ribeirinhas, vulneráveis em sua comunidade.

Com informações do site do CFP e da ULAPSI.