Encontro de Bauru: 30 anos de luta por uma sociedade sem manicômios

Categoria(s):  Luta Antimanicomial, Notícias, SAÚDE   Postado em: 16/11/2017 às 12:23

bauru 2Veja também: Evento preparatório para o Encontro de Bauru acontece na sede do CRP-RJ

O Conselho Regional de Psicologia do Rio de Janeiro estará presente na 30ª edição do Encontro de Bauru, que acontecerá nos dias 8 e 9 de dezembro, em Bauru (SP), para marcar o aniversário do manifesto que consolidou as diretrizes políticas da Luta Antimanicomial brasileira.

O evento acontecerá na Universidade Sagrado Coração. Serão dois dias de rodas de conversa, ato público, atrações culturais, debates e encontros entre profissionais, militantes e usuários na luta pelo fortalecimento da Reforma Psiquiátrica diante desse cenário de retrocessos na garantia de direitos e desmantelamento de políticas públicas.

As delegações que quiserem participar desse momento histórico devem se inscrever enviado e-mail para 30anosdeluta@gmail.com com informações sobre quantidade de pessoas, forma de transporte, data de chegada, cidade e estado de origem e contato de um responsável.

Informações sobre a programação completa dos dois dias de evento e também sobre alojamento e alimentação podem ser obtidas no site do CFP ou na página do evento no facebook.

Abertas inscrições para apresentação cultural

Grupos culturais que queiram se apresentar nas áreas da dança, música, pintura, fotografia e canto, entre outros, têm até o dia 25 de novembro para se inscrever. Os horários de apresentação serão definidos pela Comissão Organizadora do evento, que divulgará as atrações confirmadas no dia 27 de novembro.

As inscrições devem ser feitas somente clicando aqui.

Sobre o Encontro de Bauru

Ocorrido em dezembro de 1987, na cidade paulista de Bauru, o II Congresso Nacional dos Trabalhadores de Saúde Mental tornou-se um marco histórico da Luta Antimanicomial brasileira. Naquela ocasião, os 350 trabalhadores de Saúde Mental presentes no Congresso ocuparam as ruas de Bauru pela extinção dos manicômios e pela estruturação de um novo modelo assistencial em Saúde Mental contrário à opressão, à exclusão e à discriminação.

Desse encontro, resultou o “Manifesto de Bauru”, o primeiro documento oficial dos trabalhadores de Saúde Mental por uma sociedade sem manicômios.