CRP-RJ MARCA PRESENÇA NO 8º CONGRESSO BRASILEIRO DE SAÚDE MENTAL (ABRASME)

Categoria(s):  Luta Antimanicomial, Notícias, Últimas Notícias   Postado em: 02/08/2022 às 11:01

 

WhatsApp Image 2022-08-01 at 10.46.21O 8º CBSM foi organizado por diversas atividades como, minicursos, roda de conversa, mesas de debates, grandes debates, lançamento de livros e inúmeras intervenções culturais. Além disso, muitas iniciativas de economia solidária estavam presentes. Inúmeras temáticas significativas e urgentes ao campo da saúde mental foram debatidas no decorrer dos dias. Dentre os principais assuntos do evento destacam-se o debate sobre Direitos Humanos e Saúde Mental; Saúde Mental e Drogas uma Política de Estado e Antropofagias da Luta Antimanicomial.

O congresso recebeu cerca de 3 (três) mil pessoas durante os dias de programação, divididos entre profissionais da área de saúde, trabalhadores do Sistema Único de Saúde (SUS), estudantes de graduação e pós graduação, diversos artistas, usuários do sistema de saúde mental e seus familiares.

O Conselho Regional de Psicologia do Rio de Janeiro marcou presença no 8º CBSM por meio do Eixo de Política sobre Álcool e outras Drogas (EPAD). A coordenadora do eixo Victoria Antonieta Tapia Gutiérrez, e os colaborados Camila Motta Gomes e Lucas Rocha Gonçalves participaram do congresso apresentando em uma roda de conversa o relato da experiência e dos desdobramentos da realização dos Ciclos de Debates sobre (Des)medicalização  promovido pelo EPAD (CRP/RJ).

O Ciclo de debates tem acontecido mensalmente, dividindo-se em três mesas que aconteceram de maneira remota (online) e uma jornada que acontecerá no formato presencial, como forma de finalizar o ciclo sobre (des)medicalização. O público alvo são psicólogo (a)s, tanto estudantes como profissionais, de qualquer parte do Rio de Janeiro ou fora dele, que tenham se inscrito para assistir às mesas. O ciclo foi organizado para fomentar dois debates: O primeiro para repensar a influência do modelo biomédico psiquiátrico em nosso fazer Psi, e em segundo, que as drogas psiquiátricas também sejam entendidas como parte do “outras drogas”, já que estudos recentes apontam que seu uso excessivo tem levado inúmeras pessoas a ficarem adictas e apresentarem dificuldades com sua retirada. Dessa forma, teve por objetivo introduzir o debate entre o (a)s profissionais de psicologia visando à construção de caminhos possíveis para a ação dos profissionais. Entre os temas debatidos estavam: medicalização, infância e patologização, sociedade e psicotrópicos.

O 8º CBSM encerrou suas atividades em um inesquecível Ato Público no dia 24 de Julho na Av. Paulista SP. Participantes do congresso se reuniram em um grande ato de protesto contra os retrocessos nas políticas de saúde mental provocados pelo atual governo. Reivindicaram pelos direitos das pessoas que usam drogas, por mais afeto nos processos de cuidado em saúde mental, por “manicômios nunca mais” e defendiam a democracia e não privatização SUS. O Ato contou com a presença de inúmeros atores fundamentais no processo de luta antimanicomial brasileira. A tônica do acontecimento foi “Democracia é Saúde, Saúde é Democracia”.