Atendimento on-line é tema de debates na nova sede do CRP-RJ

Categoria(s):  Notícias, ORIENTAÇÃO/FISCALIZAÇÃO   Postado em: 09/07/2019 às 14:57

IMG_8074Em 18 de junho, a sede do CRP-RJ, localizada no Centro do Rio, recebeu em seu auditório psicólogas (os) e estudantes de Psicologia para debater a temática “Psicologia e Contemporaneidade – Atendimento on-line: Construindo um Plano de Trabalho”. O evento foi mediado pela conselheira do CRP-RJ, especialista em Gestão de Informação (COPPEAD-UFRJ), conselheira do Conselho Federal de Psicologia entre 2008 e 2013 e secretária-geral do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC) entre 2009 e 2013, Roseli Goffman (CRP 05/2499).

A mesa de debates foi aberta por Thiago Melício (CRP 05/35915), professor adjunto no Departamento de Psicologia Social do Instituto de Psicologia da UFRJ, que abordou o histórico das resoluções do Conselho Federal de Psicologia no que se refere ao uso das Tecnologias da Informação na Comunicação (TICs) na Psicologia, desde a primeira normativa, em 1997, até a mais recente, de 2018, que regulamenta a prática do atendimento on-line.

Em seguida, Teresinha Anciães (CRP 05/5403), psicóloga, especialista em Psicoterapia de Adolescentes (UERJ) e mestre em Psicologia Clínica com ênfase em Psicanalise (PUC-Rio), apresentou estudos e pesquisas sobre a eficácia do atendimento on-line, mas destacou a importância de manter em foco o atendimento presencial.

IMG_8076

Marcelo Pinheiro, Roseli Goffman, Thiago Melício (ao microfone) e Teresinha Anciâes

“A tecnologia não pode substituir as interações espontâneas de duas pessoas no mesmo ambiente. A psicoterapia virtual não pode ser colocada como uma substituta certeira e definitiva dos atendimentos reais. Ela deve ser pensada como uma prática diferente, que poderá ser independente, complementar ou paralela aos atendimentos presenciais. A nossa palavra é sempre cautela”, ressalvou a psicóloga.

Fechando a mesa de debates, Marcelo Pinheiro da Silva (CRP 05/16499), gestalt-terapeuta, mestre em Psicologia Social (UERJ) e autor do livro “O Afeto e o Afetar em Relações de Grupos: Um olhar a partir da Gestalt-Terapia”, comparou as experiências italianas e brasileiras em relação às práticas on-line de Psicologia. “Na Itália, não existiu nenhum tipo de restrição em relação ao atendimento on-line, não existiu esse cuidado, esse controle”, afirmou ele.

“A primeira resolução que tivemos aqui no Brasil que realmente falava de atendimento à distância foi em 1995, que estabelecia que o psicólogo não podia atender pelo telefone. A partir dessa normativa, tivemos, em média, uma nova resolução do CFP sobre o tema a cada seis anos. Ao longo desse processo, foi acontecendo aos poucos a liberação para que o psicólogo usasse esse tipo de recurso. Então, nós temos uma postura muito mais prudente, muito mais conservadora no que se refere às práticas on-line”, reconheceu.

Participou também do evento a psicóloga fiscal da Comissão de Orientação e Fiscalização (COF) do CRP-RJ Helen Cristian de Vasconcelos Manhães (CRP 05/40664), que esteve presente para prestar orientações relacionadas à Resolução CFP nº 011/2018, que regulamenta a prática do atendimento on-line.

O CRP-RJ transmitiu a mesa de debates ao vivo em seu facebook. Confira o evento completo pelo link https://www.facebook.com/crprj/videos/.