Apresentação

A cada três anos, as (os) psicólogas (os) brasileiras (os) reúnem-se de forma democrática e organizada para discutir e decidir os rumos da nossa profissão. Para tal, as (os) psicólogas (os) precisam mobilizar-se para participar das diversas etapas regionais do Congresso Nacional de Psicologia (CNP).

Dispositivo fundamental nesse processo de democratização do Sistema Conselhos, o CNP é a instância máxima em que são definidas as diretrizes políticas a serem seguidas nos três anos subsequentes pelos Conselhos Regionais e Federal de Psicologia.

Em 2019, chegaremos à 10ª edição do CNP, que acontecerá em Brasília entre 30 de maio e 2 de junho e terá como tema

"O (im)pertinente compromisso social da Psicologia na resistência ao Estado de exceção e nas redes de relações políticas, econômicas, sociais e culturais".

Em diálogo com a sociedade, o Estado, e a categoria profissional, a Psicologia brasileira, como ciência e profissão, tem demarcado, através de um projeto ético-político com o compromisso social, uma posição em defesa dos direitos sociais, dos direitos humanos, das políticas pública, da pluralidade e da construção de subjetividades. 


O 10ª CNP terá três eixos temáticos de discussão. São eles:

  • Eixo 1: Organização democrática e representativa do Sistema Conselhos;

A proposição deste eixo abrange a formulação de propostas que indiquem a necessidade de aperfeiçoamento na organização democrática e representativa do Sistema Conselhos, isto é, atualizações, revisões, desenvolvimento e delimitações sobre sua estrutura e forma de funcionamento.  

  • Eixo 2: O diálogo da Psicologia com a sociedade brasileira e suas relações com a democracia e direitos humanos;

Este eixo tem como objetivo dialogar com a sociedade na proposição de contribuições éticas, políticas e técnicas da Psicologia voltadas à defesa da democracia e da garantia de direitos, condição indispensável para o alcance dos objetivos do exercício profissional.

  • Eixo 3: Do Exercício Profissional

Neste eixo, cabem diretrizes que enfatizam reflexões críticas sobre a formação profissional acadêmica e continuada, a precarização do trabalho, a laicidade da Psicologia e os impactos para o exercício profissional na clínica, educação, justiça, saúde, assistência, áreas emergentes, organizações, entre outras. 

Neste hotsite, você encontra todas as informações sobre as etapas regionais do 10º CNP e também descobre como fazer parte dessa importante mobilização. Confira e participe!

Histórico dos CNPs

O primeiro CNP, realizado em Campos do Jordão (SP) em 1994, nasceu como um processo constituinte que tinha como proposta discutir o Sistema Conselhos e a sua democratização, a profissão do (a) psicólogo (a) e a sua formação.

O II CNP aconteceu em Belo Horizonte (MG) em 1996 – com o tema “O psicólogo vai mostrar a sua cara” – e trazia outras questões que começavam a apontar a necessidade de não apenas de discutir a profissão, mas também a sua relação com a sociedade.

A partir do III CNP, ganhou força a ideia da importância de pensar a Psicologia em sua relação com a sociedade brasileira, bem como a preocupação com a qualidade técnica e o rigor ético da prática da (o) psicóloga (o). Daí surgiu a ideia do “Compromisso Social da Psicologia”.

Em 24 anos de trajetória, o CNP proporcionou avanços reais para a Psicologia, a (o) psicóloga (o) e a sociedade brasileiras, tais como a consolidação da Luta Antimanicomial, a inserção qualificada nas Políticas Públicas, o processo de regionalização e interiorização da profissão e as diversas resoluções do Conselho Federal de Psicologia que, embasando uma prática ética, contribuíram na construção da garantia de direitos humanos em nosso país. 

Por isso, devemos aproveitar esse momento tão importante, elaborando propostas, nos candidatando como delegada (o) e contribuindo para o fortalecimento coletivo da Psicologia como ciência e profissão.

Conselho Regional de Psicologia do Rio de Janeiro. Todos os direitos reservados. 2018